31 de dezembro de 2008

21 de dezembro de 2008

20 de dezembro de 2008


TÁ CHEGANDO... TÁ CHEGANDO A HORA... TÔ CONTANDO O SEGUNDOS.
O TEMPO PASSA DEVEGAR PRA QUEM ESTÁ ESPERANDO...

19 de dezembro de 2008


2 DIAS Q PARECEM UMA ETERNIDADE...

18 de dezembro de 2008

17 de dezembro de 2008

16 de dezembro de 2008

SÓ MAIS 5 DIAS... Q AGONIAAAAA!!!

15 de dezembro de 2008

AHHHHHHHH... FALTA 6 DIAAAAAAAASSSS... Q DESESPEROOOO!!!

14 de dezembro de 2008


Uiuiuiuiiiiiiii... Faltam 7 dias pro Show mais esperado da minha vidaaaaaa!!!

5 de dezembro de 2008






















00:49... Já é dia 05/12... É meu aniversário... E agora passa tantas coisa na minha cabeça, q nem sei expressar. São coisa boas, outras nem tanto... Mas acho q tudo valeu á pena. Cada conquista e cada perda... Alegria ou dor... Amor ou desamor... Pensou em tudo sobre mim, como um filme... Estou assistindo minha vida. Algumas coisas são engraçadas... e adoro dar boas risadas delas... mas outras me fazem chorar. É difícil crescer... Qdo crescemos temos de aceitar as nossa imperfeçõe, as imperfeiçõe do outro.... e do mundo. Descobrimos q o mundo não é seguro, q as pessoas não são boazinhas... Mas aprendemos a nos defender. Aprendemos a lutar... A olhar o lado bom de tudo. Qdo olho pra trás, não me arrependo de nada... Mas agora, o q mais me importa é olhar pra frente... Caminhar com passos firmes... Ser cada vez mais forte!!!
Q assim seja.



24 de novembro de 2008

Lua adversa Cecília Meirelles



Lua adversa

Cecília Meireles


Tenho fases, como a lua

Fases de andar escondida,

fases de vir para a rua...

Perdição da minha vida!

Perdição da vida minha!

Tenho fases de ser tua,

tenho outras de ser sozinha


Fases que vão e que vêm,

no secreto calendário

que um astrólogo arbitrário

inventou para meu uso.


E roda a melancolia

seu interminável fuso!

Não me encontro com ninguém

(tenho fases, como a lua...)

No dia de alguém ser meu

não é dia de eu ser sua...

E, quando chega esse dia,

o outro desapareceu...

O meu olhar - Alberto Caeiro


O Meu Olhar


O meu olhar é nítido como um girassol.

Tenho o costume de andar pelas estradas

Olhando para a direita e para a esquerda,

E de, vez em quando olhando para trás...

E o que vejo a cada momento

É aquilo que nunca antes eu tinha visto,

E eu sei dar por isso muito bem...

Sei ter o pasmo essencial

Que tem uma criança se, ao nascer,

Reparasse que nascera deveras...

Sinto-me nascido a cada momento

Para a eterna novidade do Mundo...
Creio no mundo como num malmequer,

Porque o vejo. Mas não penso nele

Porque pensar é não compreender ...
O Mundo não se fez para pensarmos nele

(Pensar é estar doente dos olhos)

Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...
Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...

Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,

Mas porque a amo, e amo-a por isso,

Porque quem ama nunca sabe o que ama

Nem sabe por que ama, nem o que é amar ...

Amar é a eterna inocência,

E a única inocência não pensar...

(Alberto Caeiro)


Primavera


Primavera gentil dos meus amores,



- Arca cerúlea de ilusões etéreas,


Chova-te o Céu cintilações sidéreas


E a terra chova no teu seio flores!



Esplende, Primavera, os teus fulgores,


Na auréola azul dos dias teus risonhos,


Tu que sorveste o fel das minhas dores


E me trouxeste o néctar dos teus sonhos!


Cedo virá, porém, o triste outono,

Os dias voltarão a ser tristonhos

E tu hás de dormir o eterno sono,

Num sepulcro de rosas e de flores,

Arca sagrada de cerúleos sonhos,

Primavera gentil dos meus amores!


( Augusto dos Anjos)

A minha estrela

E eu disse - Vai-te, estrela do Passado!


Esconde-te no Azul da Imensidade,


Lá onde nunca chegue esta saudade,


- A sombra deste afeto estiolado.




Disse, e a estrela foi p’ra o Céu subindo,


Minh’alma que de longe a acompanhava,


Viu o adeus que do Céu ela enviava,


E quando ela no Azul foi-se sumindo




Surgia a Aurora - a mágica princesa!


E eu vi o Sol do Céu iluminando


A Catedral da Grande Natureza.




Mas a noute chegou, triste, com ela


Negras sombras também foram chegando,


E nunca mais eu vi a minha estrela!




(Augusto dos Anjos)

14 de julho de 2008

De um lado cantava o sol
Cecília Meirelles

De um lado cantava o sol,
do outro, suspirava a lua.
No meio, brilhava a tua
face de ouro, girassol!

Ó montanha da saudade
a que por acaso vim:
outrora, foste um jardim,
e és, agora, eternidade!

De longe, recordo a cor
da grande manhã perdida.
Morrem nos mares da vida
todos os rios do amor?

Ai! celebro-te em meu peito,
em meu coração de sal,
Ó flor sobrenatural,
grande girassol perfeito!

Acabou-se-me o jardim!
Só me resta, do passado,
este relógio dourado
que ainda esperava por mim . . .


Procuro despir-me do que aprendi




Procuro esquecer-me do modo de lembrar que me ensinaram,




E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos,




Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras,




Desembrulhar-me e ser eu...




Alberto Caeiro